Embriago-me suavemente…
Numa qualquer tasca
Sintra…
Estrada velha alucinada
Papeis no bolso, capa preta
Aparo de madeira lustre
Dor de cabeça ou voraz sentimento?
Dor da vida…
Suavemente engulo mais um gole
Deste insano momento…
Devoram-me os olhares inconstantes
Elas rasgam-me o pensamento
Olhares cultos e desmedidos
Provocantes…
Sozinho… aqui estou…
Não sei mais para onde ir
Satisfazem-me os olhares cruzados
Os meus olhos fitam-nas sem segredo
Prostrado aqui estou…
Perdido neste momento
Tasca ou bar já nem sei…

Se o amor se resumir a uma só palavra
Então quero soletrá-la…
Para que não me falte o ar
Quero dizê-la baixinho ao teu ouvido
Quero lambuzar a tua alma
Com o mel desta minha palavra
Esta, será tão doce que rasteja…
Por entre o teu sorriso…
Quero que ela se estampe no passeio por onde passas
E tropeces nela quando quiseres
Esta palavra não tem tempo
E digo-a devagarinho como se toda a minha voz
Fosse eterna…
A… m… o… te…
Esta simplicidade de uma palavra
Pode caminhar pelas barreiras do infinito
Nada mais é triste quando dela te lembrares
Nada mais é irreal quando a sentires perto do teu ouvido
Dita por mim…

Amo-te num só momento
Em todo o tempo
Como se todo eu quisesse ser teu
Amo-te…
A minha alma voa por entre a tua
Sem sentido abraçando o mundo eterno
Deixo de lutar contra o que é incerto
Deixo-me levar pela curva do teu silêncio
Amo-te como se nada fosse
Como se a minha vida dependesse de todo eu ser teu
Amo-te… e voo pela incerteza do teu beijo
Deixando-me levar pelo amor que ainda vejo
Porque só a voar consigo sentir-te
Amo-te como se ainda te sentisse sem ter de respirar
O ar que tu sentes…
Sem deixar rasto deixo-te um sorriso de mel
Doce como o sentimento que me consome
Nem mesmo a morte põe fim a este meu sentir
Mais forte que a eternidade dos homens
Mais claro que todos os pensamentos de Deus