Um anjo voa pela luz celeste
Coagula o meu sonho
Longe do mundo oscilante
Arrastou o meu corpo para lá do oceano
Enfim parámos para descansar e caímos
Posso agora deslocar-me onde eu quiser
Avançar no tempo…
Recuar no espaço
Trago duas boas qualidades
O vinho dos deuses
E as criaturas da noite
Uma loura outra ruiva
Espasmos melodiosos
Gritos selvagens nas noites quentes
Deixo os sons lá longe
Esqueço a noite…
Entristeceu-me o olhar
Ah… vem connosco…
Forja o teu sentido com o nosso
E viaja ao sabor deste mel
Vento doce
A noite é ainda infantil
Sou um guia deste rochedo
È o meu hábito
A Lua está carregada e orgulhosa
A genealogia do suicídio
Para justificar a perda da visão celeste

Estou aqui
Presente neste momento
Eu e as memórias
Épocas passadas
Quero sair mas não sei para onde
Só sinto o silêncio amargo
Das palavras não ditas
Registo no papel este momento
A tinta simbólica da minha vivência
Sinto-me distante
Sinto-me sem rumo
Circo de malte
Palhaço de palha
Arlequim de ferro
Tão longe que não sinto a diferença

Ficas-me no pensamento
Olho-te nas ruas mas não te sinto
Mantenho o silêncio do teu olhar
Não te vejo no meu caminho por vezes
Procuro-te sem te alcançar
Quando chega a madrugada
Não quero acordar…
Quero ver-te… sem que seja na minha recordação
O teu nome não sei…
Só a cor do teu cabelo
A calma do teu olhar
Adivinho o teu cheiro por entre a minha mente
Com o meu sorriso percorro o teu corpo avidamente
E descubro um novo caminho desta saudade
Tenho-te não te tendo…
Conheço-te não te conhecendo…
E invento para mim o tom da tua voz
Que nunca ouvi… mas sei que é doce…

Passo e perpasso por aqui
Não sei já onde passo…
Passo distante do templo
Glória antiga
Mistico tempo…
Passo e desfaço…
O tempo…
Essa palavra que se diz longe de tão perto…
Que se atravessa no meu caminho
Opõe-se a cada momento
Na minha ideia da eternidade…
Passo e passo a contrapasso
Com majestade…
Sem sentido plangente
Por aqui passo
Cada dia, mais um dia…
Busco a bússola do meu viver
A verdadeira alma do meu templo
A voz do meu sentir…