Vou amar-te como um poeta
Porque só assim serás eterna…
E levar comigo aquilo que tenho de ti
Vou mostrar ao mundo
O quanto significas…
Imortalizando o teu brilho,
O teu olhar,
A tua voz,
O teu perfume,
E quando estiver exausto de te descrever
Vou pintar nas paredes o teu nome
Para que sinta a presença do teu ser
Mais tarde, quando morrer vou lembrar-me de ti
Para que a minha alma
Fique perto da tua alma…
E eu possa sorrir eternamente

Ouve-me agora…
Preciso que saibas de mim
Onde quer que te encontres
Preciso da tua luz para me guiar
Mesmo que a Lua lhe roube o brilho
Acompanha-me vou voar e rir
Estar só…
Sem qualquer significado vou sentir
Estar perto ou longe
Estar aqui junto…
Agarra-me! Quero cair…
Afundar-me no interior da minha ausência
E despertar em mim o teu sabor
Confundir a madrugada com o suor dos teus braços
Mergulhar no teu leito
E ser a essência da noite

Obrigado por todos os momentos que passámos…
Descansa em paz meu amigo
A minha alma chora por ti hoje
Os Deuses fazem-te companhia
Não te preocupes com o amanhã
Esquece o café que me querias pagar
Gostava de nunca ter escrito estas palavras
Descansa em paz suprema junto das divindades ocultas
Vou tentar não entristecer com a tua partida
O caminho para a longa viagem é teu
Viaja sem medo…
Gostava de um dia ter entendido o teu olhar
Brincámos tantas vezes
Em tempo algum serás esquecido
Serás eterno…

Um homem com um aparo no bolso
Esconde tudo menos a sua alma
È capaz de escrever quando quiser
Onde quiser…
Nas paredes ou em simples papel
Esconde a sua solidão perante o mundo
Aquele que transporta tal mecanismo
Consegue despoletar uma revolução sozinho
Comandar um exército
Morrer numa batalha absolutamente só
Tem plena consciência da sua solidão…
E nada se comparará à escuridão por onde vagueou
Será sempre um homem único
A liberdade, o seu templo
Transporta a loucura dos heróis
O sangue dos sonhadores
Um homem com um aparo no bolso
È um monstro que se alimenta da tempestade
Deixem-no trovejar com vigor!

Algum dia pelo silêncio do tempo
Poderemos encontrar-nos
E saber existir em nós
Talvez correr pela estrada
Quem sabe estar unidos
E alcançar a sombra do infinito
Destruir a sociedade perdedora
Ou entrar na porta de um túnel desconhecido
Dançar numa qualquer corda bamba
E saborear o âmbar divino do nosso tempo

Capa preta, ligeiramente suja
Camisa branca rendada nos punhos
Antigos no mundo
Desloca-se com as palavras
Viaja a alta velocidade
Onde quer que chegues
Ele já lá esteve…
È veloz no tempo
È eterno mesmo que tu não o desejes
Já desvendou e amou a noite
Primeiro que tu…
Percorre o vácuo com avidez de um homem cego
Precede a todos em tempo, lugar ou categoria
Esse abismo que pensas entrar
Ele escavou-o cada vez mais fundo
Até ao inicio da escuridão
Fez amor com as palavras
Desses momentos brota a noite
Com ela a solidão…
As frases não ditas…
Recria a vida e ama as trevas
Com os aparos, canetas e tintas
São a arte do mundo
O sangue imperial da alma
Azul, negro ou vermelho
Esses poetas
Narradores da alma…
Loucos, apaixonados, furiosos ou arrebatados
Amarrotados pela humidade nocturna
Idealistas profundos…
Poetas e amantes…
São todos os mastros e pilares da sociedade secreta
A alma do mundo…

As pessoas fogem dos sonhos
Tentam alcançar outros mais além
Rodopiam no mundo
Deixam de ser o que são realmente
Algumas que não sabem o que valem
Não se situam no que são
Passam a ser o que os outros querem que sejam
O mundo, esse abismo infernal…
São as histórias e contos
Cheio de sonhos insatisfeitos
De demónios nocturnos que perturbam os audazes
Vivem sonhos duvidosos e afastados da realidade
Deixados para trás atraem o caos…
Vivem no sub mundo da cidade…
Dia após dia nos subúrbios…
E alucinam-se na noite…
O mundo está cheio de invenções para passar o tempo
Porque não há nada de novo aqui que te satisfaça
Então regurgita a tua alma e recria-te…
Elevei a minha até ao cume
Onde tu não alcanças…
Nem sequer tocas…
Viajo e rio-me de ti…