Especial assim como uma onda do mar
Como a sensação de estar vivo
E então vivo ser todo o presente
Especial como a Lua entre a noite
Uma chuva de sentidos
E a noite ser a madrugada tão doce
Especial como o cheiro das flores
Nas manhãs de sábado
Especial como um leve beijo
Suave sussurrado pelo vento

Truão… Por favor não percorras os trilhos
Eles são caminhos longos desenterrados
Deixa-os aos nobres e aos poetas
Assim… Deixa o tempo voar e as nuvens passar
Conta histórias do que não fostes
Deita-te e morre…
Embala-te no sorriso dos Deuses
Porque eles acompanham-te na viagem
Truão… Deixa-te de sentidos e sentimentos
As noites quentes e frias que percorres há anos
São iguais…
Não há nada de novo aqui para veres…
Apenas o murmúrio da penumbra da noite
O teu crepúsculo mais distante
A tua noite… Um abismo colossal
Deita-te e morre Truão…
E deixa a glória aos imortais do amor…
Porque eles são a Lua e o Sol juntos
E são estátuas constantes no caminho
Truão meu bobo não te deixes levar pela ilusão de Maya…